sábado, 2 de março de 2013

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Fotógrafos e fotógrafos

Em época de Instagram, qualquer um é fotografo. Verdade isso? Eu acredito que não...


Ao assistir, entediada, à timeline das redes sociais, a quantidade de fotos tiradas em frente ao espelho de pessoas usando roupas novas e fazendo caras bocas é assustadora. Os filtros amenizam aquilo que não aparenta muito bem. Se ainda não der certo, o desfoque salva, com certeza.
Fotos bonitas, sim. Mas onde fica a criatividade? A reflexão acerca do resultado final, as discussões sobre os elementos a ser considerados, a busca pela harmonia entre roupas, acessórios e demais elementos que conversam com o conceito da coleção são deixados de lado em prol da rapidez e do exibicionismo. Às vezes tenho a impressão de que aqueles cliques não passam de uma vontade louca de mostrar o poder aquisitivo de quem posta e uma felicidade forçada, independente do significado disso.
Não sou daquelas pessoas saudosistas ou nostálgicas, que sentem falta do que ouviu falar. Não estou aqui pra dizer que as novas maneiras de fotografas são todas erradas e que bom mesmo é usar filme preto e branco, foco manual e milhares de lentes. Só sinto falta daquilo que vivo, do que se refere à reflexão. Fotografar, assim como qualquer coisa na vida, não é só prática.
Apertar um botão de forma aleatória é fácil, difícil mesmo é estudar o funcionamento do equipamento, pensar em uma angulação interessante da imagem, ajustar os flashes para que não seja necessário gastar tanto tempo no tratamento de imagens. Difícil é conseguir se relacionar bem com os produtores de moda, dirigir uma modelo, entender o conceito da campanha e traduzir isso em imagem.
Viva os fotógrafos de fato, aqueles que pensam e respiram arte. Aqueles que se desdobram, saudosistas em relação ao filme fotográfico, que não desperdiçam os cliques. Que utilizam dos momentos de pesquisa e produção para mostrar da melhor forma possível aquilo que não se vê nas ruas, mas que inspira.
Moda não é pautada pelo preço da peça, muito menos pela falsa alegria que é transparecida. É pelo que rola nos bastidores, pela riqueza de detalhes e pela dedicação de quem busca aliar beleza e praticidade. Nos editoriais podemos sonhar, ver aquilo que talvez não usaríamos no dia a dia e pinçar, meio à tanta informação, algum elemento que nos chame a atenção.
Tenho medo do que isso tudo possa parecer, onde vamos chegar. Ao mesmo tempo, confio no profissionalismo. Não julgo  que haja uma forma certa e outra errada, apenas aposto no raciocínio, na capacidade que nos foi dada de pensar. O que eu espero dos editoriais de moda? Ousadia.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

B-day

"Nem vem tirar
Meu riso frouxo com algum conselho
Que hoje eu passei batom vermelho,
Eu tenho tido a alegria como dom
Em cada canto eu vejo o lado bom"

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

É proibido querer?


Algumas pessoas, que se acham mais capazes de escolher que as outras, simplesmente se sentem no poder de ditar o que é certo ou errado. O que pode ou não pode, afinal? Não sou eu que escolho o destino da minha própria vida?


As redes sociais estão ai pra nos fazer conhecer - mais rápido do que sem elas - as ideias de outras pessoas. Um espaço de troca, mas que nem sempre se mostra assim. Não é difícil encontrar frases absolutistas dizendo que isto é certo e tudo que não estiver aqui é errado. Por quê?

A onda de alguns ateus que tentam nos convencer a não acreditar em Deus se torna até motivo de gargalhadas. Como assim? Se não existe, por que colocá-Lo em discussão? E mais, por que me convencer de que algo não existe? É como se eu te pressionasse a não acreditar que ET’s existem, “Pare, ET’s não existem, você não pode acreditar nisso”. Oi?

De forma cada vez mais absurda, deixa-se a crítica e a discussão de lado, adotando verdades fechadas. São tantos  "meu deus é melhor, sou vegetariano, sou ateu, sou carnívoro, a Globo aliena, eu quero abortar, eu não quero que você aborte, eu salvo animais abandonados, eu não vejo BBB, eu...". Ok, deu pra entender a mensagem, mas a convicção nisso é tão rasa que não se pode dar a chance de existirem pensamentos diferentes? Ora, algumas pessoas acreditam em Deus e podem ser felizes assim, algumas pessoas não e também não vão morrer por isso, algumas pessoas são, inclusive, onívoras (olhe só!).

A necessidade de mostrar valores, posses ou inteligência (mas hein?) supera ate mesmo a vontade de fazer coisas boas. Ninguém pode simplesmente fazer o que acha certo, agora parece ser necessário demonstrar por A + B que aquela é a atitude correta, goste você ou não. Algumas pessoas não suportam a boçalidade, a não ser que seja a sua própria.

Isso tudo me parece uma vontade louca de gritar aos quatro cantos do mundo o qual legal são suas ideias, a ponto de serem acatadas por toda a população do planeta. Não, ninguém pode ficar de fora, chamem todos e vamos seguir o que eu digo. Como se não bastasse ostentar dinheiro, prestígio e status, agora se ostenta também ideias, com argumentos nem sempre convincentes. Dá a impressão de que se você pensa de tal forma, é inteligente, bem humorado, sociável etc. Se pensa o contrário, deve logo mudar de lado, já que pratica o absurdo.

Não estou sugerindo que se proíba qualquer coisa, nem tampouco que deixemos de apresentar ao próximo aquilo que acreditamos, seguimos ou que faz parte dos nossos valores. Muito mais que isso: o outro também tem direito de escolher. E mais, se ele escolhe diferente, não está errado, ok?

O mundo atual mudou a dinâmica de muitas coisas e o que antes era discutido, mesmo que em portas de casa, esquinas e botecos, agora é publicado com imagens de personagens famosos e pronto, argumento vencido. Argumento? Na verdade são só imagens intolerantes postadas por todos os lados e nenhuma discussão realmente, apenas uma forma vazia de se sentir melhor porque sua opinião gerou uma imagem mais engraçada, ou foi mais compartilhada.

Não tente me convencer a seguir sua opinião. Mostre o que há de positivo e o que há de negativo nela e, acredite, eu vou conseguir tomar uma decisão sozinha.

*Esse texto contou com a colaboração do Paulo Henrique. Obrigada, maninho <3

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A volta (dos que não foram?)




Voltei. Voltei porque não deveria ter ido embora. Esse é o meu lugar, onde eu escolhi ficar. Compartilhar, enviar, receber... Enfim, trocar ideias.
Não tem porque abandonar o Ana Belah. Na verdade até tenho, mas os motivos para ficar são maiores que as razões para estar longe daqui.
Não vou bancar a heroína, que consegue fazer tudo, estar em todo lugar e manter firme todos os projetos. Aquela que organiza o tempo de forma excepcional e consegue assumir e cumprir todos os compromissos aos quais tem vontade. Mas esse projeto... Ah, esse merece um pouquinho mais de atenção e empenho, né?
Voltei, mas voltei diferente. Cara nova, assuntos novos, formato novo. É um blog, não é? Pessoal, com opinião. É assim que quase foi e é assim que vai ser, pelo menos é o que pretendo. Afinal, o amanhã a Deus pertence.
E o tempo, que um dia foi motivo da minha ausência, hoje se mostra um aliado. O tempo me pede para escrever, e eu vou seguir o seu conselho.
Virei aqui sempre que puder - ou quiser. Não vou tratar como obrigação aquilo que me faz bem. Vou tratar como deve ser.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Top's da semana #3

Vídeos-pílula de beleza

Já falei da quem disse, berenice por aqui, lembram? Os produtos são fofos mas ainda não dá pra comprar em todos os lugares. Sei disso tudo, mas dá pra assistir aos vídeos onde quiser né? Vídeos curtos, dicas fáceis, makes lindos. Então, se joga!




Dança comigo
Quem conhece a companhia de dança Quasar? \o/ O coreógrafo Henrique Rodovalho postou um vídeo com o passo a passo de uma das danças da cia. A apresentação antecede o espetáculo "No Singular", que vem por aí. Empurra os sofás e mexe a cadeira!




Guarda aqui, óh!
Hora de reaproveitar os potes guardados aí em casa! Com esse passo a passo aqui fica fácil reutilizar e deixar tudo lindo! Não custa tentar!




Vamos jogar? <3
E um presente criativo, já fez? Aproveita hoje pra contar 52 coisas que você admira em alguém que você gosta. Toda hora é hora de fazer uma fofura! Sei lá, só um toque!



E aí, legal né?

Beijos!! ;]

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Um poema diferente

Esse é o Poema, da linha L'amour da Risqué. Ele não é só mais um vermelho... a cor é linda, forte, vibrante e diferente dos vermelhos escuros tradicionais.
O que me surpreendeu nele foi o brilho, não precisei usar extra brilho pra que ele ficasse assim!

Clica pra ver maior ;]

Cobre bem, dura muito... enfim! Já deu pra perceber que eu gostei né? hahaha
Não custa experimentar, é serio!

Beijocas!